namoro um computador (por almôndegas, eternos)

“O progresso engoliu a nossa paz e a teia engoliu a própria aranha” (Almôndegas, os indestrutíveis)

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

mais ou menos isso, só que na voz do gênio

Publicado em Trilho sonoro, Um tempo, um lugar | Deixe um comentário

frases de ontem pra hoje

…e o corpo não agia como se o coração tivesse antes que optar entre o inseto e o inseticida…

…quero que tudo saia como um som de tim maia, sem grilos de mim, sem desespero, sem tédio, sem fim…

Caetano Veloso (Eclipse oculto)

Publicado em "Time and a word", Dasantiga, Trilho sonoro | Deixe um comentário

onde o lixo entope o mar

IMG_20141201_170754093_HDR Ontem, o Fantástico exibiu uma reportagem sobre o lixo que flutua na Baía de Guanabara, umas das mais lindas do mundo. E onde serão realizadas as competições de vela das Olimpíadas de 2016. É triste ver o esgoto e outras formas de poluição tomando conta do mar. No litoral do Paraná, em dezembro de 2014, coletei em poucos minutos todas essas porcarias e resolvi fazer esta foto na praia deserta da ilha de Superagui. Um lugar paradisíaco, quase inabitado, mas onde o mar lança à praia o que recebe do continente. Todo o tipo de embalagens plásticas, de vidro, materiais de isopor e outros derivados do petróleo, que provocam a morte prematura de peixes, aves e outros animais. Os moradores da ilha contam que tripulantes de grandes navios que passam ao largo da costa lançam ao mar garrafas, latas de óleo e de comida e até roupas. E a gente sabe que por mais inóspita, deserta e distante que seja a ilha, a sujeira, materiais que poderiam ser reciclados são jogados nas ruas das cidades, terrenos baldios. Depois, são carreados pela chuva para os rios e vão parar no mar. Triste. O lixo está na nossa conduta, na nossa falta de educação, no nosso comportamento que não demonstra nenhuma preocupação com o destino que devemos dar a tudo que já usamos e aparentemente não nos serve mais.

Publicado em "Time and a word", Meio ambiente, Meu Paraná, Um tempo | Deixe um comentário

pra o meu consumo

Companheiro de trabalho, o repórter cinematográfico Feliphe Abreu sugere volta e meia canções nativas (e outras) que falam das coisas da terra, do coração, que ele pesquisa e cultiva, talvez por ser lageano, talvez porque gosta de boa música. Esta foi uma das que ele me fez ouvir, do grande Luiz Marenco e do poeta Gujo Teixeira.

Publicado em Colegas e amigos, Trilho sonoro, Um tempo, um lugar | 1 Comentário

só você

Publicado em "Time and a word", Trilho sonoro | Deixe um comentário

chafé na torre

Play

Maria Aparecida porque apareceu na vida

Maria Sebastiana porque Deus fez tão bonita

Maria de Lurdes, porque me pediu uma canção pra ela

Carmensita porque ela sussurrou seja bem-vindo no meu ouvido

Na primeira noite quando nós chegamos no hospício

E Lair, Lair porque quis me ver e foi lá no hospício

Salete fez chafé que é um chá de café que eu gosto

E naquela semana tomar chafé foi um vício

Andréia na estreia, no segundo dia, meus laços de fita

Cíntia porque embora choque Rosa é cor bonita

E Ana porque parece uma cigana da ilha

Dulcina porque é santa, é uma santa e me beijou na boca

Azul porque azul é cor e cor é fé menina

Eu sou tão inseguro porque o muro é muito alto

E pra dar um salto me amarro na torre no alto da montanha

Amarradão na torre dá pra ir por mundo inteiro

E onde quer que eu vá no mundo eu vejo a minha torre

É só balançar que a corda me leva de volta pra ela
oh sandra

Publicado em "Time and a word", Trilho sonoro | Deixe um comentário

auxílio moradia

auxílio moradia

NA PRAÇA, PROFESSORES E FUNCIONÁRIOS DE ESCOLAS PÚBLICAS ESTÃO ACAMPADOS HÁ ONZE DIAS./ A CATEGORIA ESTÁ EM GREVE POR MELHORIAS NA EDUCAÇÃO, CONTRA A FALTA DE PROFESSORES NAS ESCOLAS, NA LUTA POR MANTER DIREITOS DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS./  MUITOS DESTES PROFESSORES ESTÃO COM SALÁRIOS ATRASADOS DESDE O FIM DO ANO PASSADO./
ONTEM À TARDE, ENQUANTO OS PROFESSORES SE REUNIAM COM REPRESENTANTES DO GOVERNO E DEPUTADOS, PARA TENTAR RESOLVER OS PROBLEMAS DA EDUCAÇÃO, A POUCOS METROS DALI, OS CONSELHEIROS DO TRIBUNAL DE CONTAS APROVAVAM O AUXÍLIO MORADIA DE QUASE QUATRO MIL E QUATROCENTOS REAIS PARA CADA UM DOS VINTE BENEFICIADOS: SETE CONSELHEIROS, TRÊS AUDITORES E DEZ PROCURADORES./ A MORDOMIA VAI CUSTAR UM MILHÃO DE REAIS POR ANO AOS COFRES PÚBLICOS./
UMA AJUDA GENEROSA, JÁ QUE A MAIORIA DOS IMÓVEIS RESIDENCIAIS PRA ALUGAR HOJE EM CURITIBA, CUSTA ENTRE 600 E 1.200 REAIS./ O CURIOSO É QUE OS AGRACIADOS COM O AUXÍLIO NÃO SÃO OBRIGADOS A USAR O DINHEIRO PARA PAGAR MORADIA./ CADA UM VAI PODER USAR O VALOR DA FORMA QUE QUISER, SEM TER QUE PRESTAR CONTAS… ISSO JUSTAMENTE NO TRIBUNAL QUE EXISTE PARA FISCALIZAR AS CONTAS PÚBLICAS./ O ARGUMENTO É DE QUE OS VINTE FUNCIONÁRIOS TEM DIREITO AO MESMO BENEFÍCIO QUE JÁ É CONCEDIDO AOS MINISTROS DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, A MAIS ALTA CORTE DA JUSTIÇA BRASILEIRA./
——–
ENQUANTO OS PROFESSORES QUE NÃO GANHAM AUXÍLIO MORADIA, PASSAM OS DIAS EM BARRACAS… ENQUANTO O GOVERNO DO ESTADO PASSA POR UMA GRAVE CRISE FINANCEIRA, INTEGRANTES DE UMA ELITE DO PODER SE PRESENTEIAM COM UM REFORÇO NO SALÁRIO DE MAIS DE QUATRO MIL REAIS. DINHEIRO QUE VAI SAIR DO MESMO CAIXA DO GOVERNO, QUE NÃO CONSEGUE GARANTIR O PAGAMENTO EM DIA DOS SALÁRIOS DE PROFESSORES. SALÁRIO QUE, EM MUITOS CASOS, É BEM MENOR DO QUE O AUXÍLIO MORADIA DOS CONSELHEIROS./ E ELES NÃO SÃO OS ÚNICOS QUE TEM ESSA FACILIDADE…
APROXIMADAMENTE 800 JUÍZES E DESEMBARGADORES DO PARANÁ TAMBÉM RECEBEM AUXÍLIO-MORADIA NESTE MESMO VALOR./ O QUE PASSA DE TRÊS MILHÕES E MEIO DE REAIS POR MÊS./
QUASE SETECENTOS INTEGRANTES DO MINISTÉRIO PÚBLICO TAMBÉM TURBINAM OS SALÁRIOS COM ESTA VANTAGEM./
SOMANDO CONSELHEIROS, PROMOTORES, PROCURADORES, JUÍZES E DESEMBARGADORES, O VALOR PAGO POR ANO DARIA PARA CONSTRUIR 1.328 CASAS POPULARES EM CURITIBA, DE ACORDO COM O CUSTO CALCULADO PELA COHAB./
———
CASAS COMO A QUE A Maria Gorete ESPERA HÁ MAIS DE SEIS ANOS./ Ela é diarista E SOFRE PRA PAGAR 400 REAIS POR MÊS DE ALUGUEL DE UMA CASINHA NO BAIRRO XAXIM./
SÓ EM CURITIBA, A FILA DA COHAB TEM 74 MIL PESSOAS. OUTRAS DUZENTAS E SETE MIL VIVEM EM OCUPAÇÕES IRREGULARES, MUITAS EM ÁREAS COM RISCO DE INUNDAÇÕES./ OUTRAS NEM TEM ONDE MORAR, COMO RENATO DA SILVA, DE 40 ANOS, QUE SE ABRIGA DENTRO DE UM CONTÊINER DE LIXO NO PÁTIO DO TRIBUNAL DE CONTAS, O MESMO TRIBUNAL QUE VAI PAGAR AUXÍLIO MORADIA PARA VINTE PRIVILEGIADOS./
——-
ENQUANTO O AUXILIO MORADIA FAZ A ALEGRIA DE UMA ELITE, OS PROFESSORES CONTINUAM COM O ACAMPAMENTO E A GREVE./ ALUNOS SEGUEM SEM AULA./ E A POPULAÇÃO SE SURPREENDE A CADA NOVO PRIVILÉGIO, A CADA NOVA DECEPÇÃO./

Publicado em "Time and a word", Meu Paraná, Um tempo, um lugar | 2 Comentários

fim do sonho carnaval

http://g1.globo.com/pr/parana/paranatv-1edicao/videos/t/curitiba/v/apos-termino-do-carnaval-hora-de-voltar-a-rotina/3975035/

Publicado em Uncategorized | 1 Comentário

a gota d´água

Água racionada nas grandes cidades do país. O quadro, descrito pelo poder público como “crise hídrica”, nada mais é do que a grave constatação de que a água acabou em algumas regiões. E vai faltar em outras. No discurso político, culpa da seca. Na explicação dos técnicos, resultado de décadas de descaso, falta de planejamento de alternativas de captação e abastecimento, degradação ambiental acelerada, sem proteção das nascentes, dos rios, dos córregos, além do uso irracional e sem controle de um recurso que está sob risco de extinção. A seca foi, com o perdão da expressão, a “gota d´água”.

O curioso é que toda a discussão sobre o tema só surgiu agora, quando racionar se tornou inevitável. Isso vale também para a falta de energia, intimamente ligada à água, já que sobrevivemos graças às hidrelétricas. Chegou a fazer parte dos discursos de políticos, no ano passado, a afirmação de que não haveria crise, apagão, aumentos de preços. Tentou-se encobrir o sol com um prato de comida, tido como nosso maior programa social.

É que neste país, ano eleitoral é quando se pode dizer tudo, no afã de iludir e obter votos. E isso prospera, impera no nosso meio porque ano de eleição é quando se expõe e se manipulam as paixões, como se o eleitorado fosse uma torcida de futebol. E grande parte age como se fosse. Passado o pleito, ou a partida em que um time ganha e outro perde, os problemas aparecem com força, como que libertos depois de um período obscuro, quando estiveram aprisionados debaixo do tapete que forra o chão das falcatruas, das falácias e da ignorância.  O pecado individual de deixar-se iludir é pago com sofrimento coletivo. E nesse jogo, não há vencedor. Perdemos todos.

Publicado em "Time and a word", Meio ambiente, Um tempo, um lugar | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário