Pétala de flor (by Gui Vianna)

Nova música do Gui Vianna, guitarrista, compositor e cantor que merece tocar em todas as rádios. Curte aí… Se gostou, compartilha.

https://open.spotify.com/track/3Oyipbyz38C7vIVPst7RDn?si=ZeWGEdjxQOOcq0kge2v5iA

Publicado em Colegas e amigos, Trilho sonoro

Bora fugir (agora o vídeo)

Espero que você não fuja depois de ouvir…

 

https://www.facebook.com/fernandoparracho1/videos/469655323753474/

Publicado em Colegas e amigos, Trilho sonoro, Um tempo, um lugar | Marcado com , , , | Deixe um comentário

A gente também canta

Som de Natal, dia 08/12/19, no Cindacta II, em Curitiba. Público de mais de 15 mil pessoas. Se alguém, um dia, me dissesse que eu estaria na frente de um plateia como essa cantando, eu diria: você está louco! Nunca! Quero agradecer aos músicos e às pessoas que estiveram lá, pela paciência e pelo carinho. E lembrar: “nunca diga nunca!” As coisas acontecem e quando você menos espera, já foi! E foi bom!

P.S.: Qualquer hora eu posto o vídeo tá?

Publicado em "Time and a word", Colegas e amigos, Trilho sonoro, Um tempo, um lugar | Deixe um comentário

sonhar

http://g1.globo.com/pr/parana/paranatv-1edicao/videos/t/curitiba/v/fim-de-ano-e-tempo-de-reflexoes-e-tambem-de-sonhar-com-dias-melhores/7267670/

SONHE COM A FORTUNA, SONHE COM A VIRADA.
SONHANDO COM AS FÉRIAS, MERGULHE DE ALMA E CORAÇÃO, SÓ NÃO VALE SE AFOGAR.

SONHE COM A VIAGEM DOS SONHOS, DE CARONA COM O VENTO OU NOS BRAÇOS DE UMA AVENTURA SOBRE RODAS.
PENSE NUM LUGAR AO SOL, QUE MUITA GENTE NÃO TEM. COM UM PEDAÇO DE  CHÃO PRA MORAR. PENSAR QUE TEM GENTE VIVENDO SOZINHA A DURA ROTINA DAS RUAS E, MESMO ASSIM, NÃO DEIXA DE SONHAR.

MAIS DO QUE PENSAR, PRATICAR, COMPARTILHAR A SOLIDARIEDADE. E QUEM SABE AJUDAR TAMBÉM OS OUTROS A REALIZAREM UM SONHO.
SONHAR COM A INFÂNCIA, UM TEMPO DE MAIS AMOR, MAIS TOLERÂNCIA, MENOS VIOLÊNCIA.

SONHAR COM O TRANSPORTE DE CADA DIA. PARA QUE O EXPRESSO NÃO ATRASE, NÃO VENHA LOTADO… QUE O “LIGEIRÃO” NÃO DEMORE A CHEGAR.

PENSAR NUM JEITO DE COMEÇAR TUDO DE NOVO. ALIVIAR O SOFRIMENTO, UMA DOR QUE PODE SER A SUA OU A DE ALGUÉM. DEPOIS DE UM VENDAVAL, COMO TER FORÇAS PRA SEGUIR EM FRENTE, PRA CONTINUAR?
ENCONTRAR UMA FORMA PARA QUE TODOS TENHAM O DIREITO DE SE MOVIMENTAR.

PENSAR NUM TEMPO COM MENOS BURACOS NO NOSSO CAMINHO.
QUE MAIS SOLUÇÕES ESTEJAM A CAMINHO.

SONHAR COM TUDO O QUE NÓS AINDA PODEMOS FAZER JUNTOS.
IMAGINAR QUE O FUTURO ESTÁ AÍ, A CADA PASSO QUE A GENTE DÁ.
E POR MAIS DIFÍCIL QUE PAREÇA, QUE SEJA UM TEMPO EM QUE SE TORNE MAIS FÁCIL PERDOAR.

E JÁ QUE UM ANO ESTÁ PRA COMEÇAR, QUEM SABE ABRIR A JANELA, DEIXAR PRA LÁ O QUE NÃO DEU CERTO, O QUE FICOU PARA TRÁS.
TRAZER PRA PERTO O QUE PODE DAR CERTO.
LEMBRAR QUE A CADA INSTANTE, TUDO COMEÇA. E O TEMPO QUE RESTA É A GENTE QUE FAZ.

 

Publicado em "Time and a word", Tempo inteiro, Um tempo, um lugar | 1 Comentário

Mate!

IMG-20180911-WA0013 (1)

Todo dia, de manhã, pra espantar o sono, pra acordar. Ver raiar o sol ou lamentar o tempo fechar. Pra ter ideia, em meio à dúvida… pra acreditar. Pra fazer pensar, pra refletir, sentir o amargo da razão invadir o paladar. Ou no cair da tarde, pra ver o sol se debruçar no horizonte, longe. Pra dividir, compartilhar, na mão o gesto amigo de estender a cuia à outra mão que espera. Líquido verde e quente dos xamãs, que vem da folha da floresta, percorre o pampa e ganha outros lugares a perder de vista. Um gole de paz, que se faz necessário mais do que nunca. Bebida charrua, que se inicia quando a chaleira “chia” e a água escorre lenta pela parede do porongo. “O mate tá pronto”, como dizia Dom Cândido, nas manhãs geladas da fronteira, ao ver Sant´Ana pela porta que se abria. Que venha o dia, no brilho forte de uma manhã campeira.

Publicado em "Time and a word", Um tempo, um lugar | 1 Comentário

nas areias do céu

Naquelas areias nunca mais as nossas caminhadas. Nem os sorrisos, nem os silêncios, desabafos, preocupações compartilhadas. Respiração ofegante, entre palavras entrecortadas por conselhos. Perguntas diretas, respostas nem tanto. Por que fostes embora? Ainda havia tanto a falar, a ouvir, tantas perguntas certeiras com respostas incertas. Me deixastes sozinho, agora, na areia tão imensa da praia. O costão de um lado, onde pescávamos quando eu era criança. As dunas do outro, onde caminhavas loucamente para pensar, para saber formular as perguntas certas. Não estamos mais, nunca mais estaremos ali. Entre tropeços, copos cheios e muita conversa. Teu olhar ‘inda brilha, tua voz persiste. E o que faço eu com esta saudade que me deixaste? O que faço com este vazio no peito? Com o velho tênis que parece querer falar, contando lembranças e pegadas? Agora sozinho, difícil dar o primeiro passo, os passos seguintes sem ti. Eu sei que naquela areia nunca mais, mas é como se te levasse comigo, sempre escolhendo o caminho, de acordo com o que havia para conversar. Nunca mais nossos trajetos, nem os conselhos. O que faço agora sem eles? Onde fica o norte e de onde é este vento que sopra, que tu sempre sabias dizer? Cheguei a imaginar que nunca partirias. Fiquei com algumas coisas, mas não sei o que fazer com o que sobrou do meu coração… Ficou o teu olhar no meu, o meu abraço no teu. E uma vontade incontrolável de te encontrar nas areias do céu, enquanto o sol não se põe de vez pra nós dois.

Publicado em "Time and a word", Tempo inteiro, um lugar, Um tempo, Um tempo, um lugar | 5 Comentários

“As Peças”

Nas águas protegidas, a paz e o sossego. Lugar onde o quando é mero detalhe. Aqui reina o sempre, o eterno descanso do pescador. Onde o capitão tirou os chinelos depois de longa jornada.

Os golfinhos, também chamados de botos, desfilam seu nado para quem quiser ver. O dorso brilha no sobe e desce das águas. Eles fizeram da ilha da Peças maternidade e criadouro. E não há de faltar para eles o peixe santo de cada dia.

Os moradores sabem da linguagem dos visitantes e da sua surpresa, diante da água morna e da vista esplendorosa. Conhecem o apetite de quem chega e servem a mesa que os deuses invejam. Basta um instante pra querer reunir os pedaços de uma vida que foram se extraviando pelo caminho. E não há melhor lugar no mundo do que esta ilha, para juntar e dar sentido às peças embaralhadas pelo tempo.

Publicado em "Time and a word", Colegas e amigos, Um tempo, um lugar | Deixe um comentário