Flores que a gente reggae (tô cansado de esperar)

Pra encarar os malas, os que prometem em vão coisas que nunca farão, pra exorcizar os males, pois assim nunca virão, pra nos livrar dos falsos, dos arrogantes, que arrotam o pão, o milhão, e não se dão ao trabalho de se olharem no espelho, de ouvirem a própria voz. Pra espantar os olhares, aqueles que não faço questão, pra afastar os vorazes com fome de gavião, os bandidos, os sacerdotes do ócio, os operadores do hospício, os que tramam genocídios em nome de um tal, pra neutralizar os odores insalubres, os sabores podres, os pobres fedores…Pra conclamar os anjos em prol de todos amores, trazer de volta aquela paz que um dia existiu, as cores que o criador usou pra colorir o universo, todos os versos, um mantra contra a dor, um hino com tesão e ardor que fale apenas de amor no refrão.

Anúncios
Esse post foi publicado em "Time and a word", Trilho sonoro, Um tempo, um lugar. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s