Ovelha negra

Rita Lee declarou que não fará mais shows. A mãe do rock brasileiro, a rainha, a musa, a expressão primeira e maior do que ela mesmo definiu como “roquenrou” (o velho rock brazuca) vai se aposentar dos palcos. Um dia, esse dia chegaria. Inevitável.

Em 1976 (eu acho, não lembro bem), eu vinha de carro com o meu pai e meu primo Carlos Eduardo, de São Paulo para Porto Alegre. Carlos e eu ficaríamos em Camboriú para o “Camburock”, um festival numa praia deserta, perto do Morro do Cavalo. No caminho, passamos por um Chevete azul claro (na época conhecido como “azul calcinha”!) com a Rita Lee na direção e ao lado dela a Lucinha Turnbull, guitarrista e parceira de Rita. Eu acenei, mandei beijos, fiz um monte de piruetas pra que ela me visse e soubesse que eu era um fã. Um ou dois dias depois, no festival, ela se apresentou com a Banda Tutti Frutti, cantando “Ovelha Negra”, “Esse tal de roquenrou”, “Jardins da Babilônia” e várias outras. Um showzaço inesquecível! Rita, que os deuses do rock derramem sobre você saúde e que você tenha força pra continuar compondo, gravando e tocando, mesmo que não seja nos palcos. A bênção, tia Rita!

Anúncios
Esse post foi publicado em "Time and a word", Trilho sonoro, Um tempo, um lugar e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s