Rótulos

Eu dirigia o fusca branco e a gente ia pra praia. Acho que era Capão. Eu peguei uma fita (k7, alguém sabe do que eu tô falando?), botei no toca-fita e dei gás (no volume e no acelerador, como se fusca andasse…!)… silêncio, aquele filme mudo, só que em slow, um nem olhava pro outro. Era inverno, mas tinha sol, estava quente, a gente até suava de tanta pressão. Ela me disse: pô, grunge! E eu falei, não. É samba canção, de um grupo chamado Pearl Jam.  A gente foi e voltou sem palavra. Sem porém, sem porquês, sem tesão. Eu lembro que choveu, só podia… Eu sou do tempo do rock, bebê! Mas não tenho preconceitos sonoros. Não vou dizer: “é grunge mas é bom”, soa ridículo. Grunge ou não, eu curto Pearl Jam. E tá aí uma pequena amostra de que o rótulo só faz acabar com a chance de descobrir algo bom, porque alguém falou que podia não ser. O fusca era branco (white). A mancha de preto (black) não é mera coincidência. A confusão era só o começo do fim.

Black, Pearl Jam

Anúncios
Esse post foi publicado em "Time and a word", Dasantiga, Trilho sonoro, Um tempo, um lugar e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s