O cheiro dos livros

Numa entrevista, ele contou que ainda criança ia à Livraria do Globo com o pai, ficava folheando os livros e sentindo o cheiro das páginas. Assim começou bem cedo um amor arrebatador pela literatura. Muito tempo depois, ele pegava um clássico, abria e pelo cheiro do papel, lembrava daqueles dias de guri, quando nasceu a paixão pelos livros, que aprendeu a reconhecer pelo “cheiro”. Peço pela tua saúde, Luis Fernando Veríssimo. Para que tu deixes logo este hospital. E possas continuar com teu trabalho genial, que faz a gente rir e chorar na mesma frase.
Anúncios
Esse post foi publicado em "Time and a word", Um tempo, um lugar. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s