A morte da esperança (por Mia Couto)

“A esperança é a última a morrer.” Diz-se. Mas não é verdade. A esperança não morre por si mesma. A esperança é morta. Não é um assassínio espetacular, não sai nos jornais. É um processo lento e silencioso que faz esmorecer os corações, envelhecer os olhos dos meninos e nos ensina a perder crença no futuro.

(do livro “E se Obama fosse africano?”, de Mia Couto)

Anúncios
Esse post foi publicado em "Time and a word" e marcado , . Guardar link permanente.

Uma resposta para A morte da esperança (por Mia Couto)

  1. Bianca Parracho disse:

    cultivemos, então, os guardadores de rios que existem dentro de nós =)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s